Artigos e Entrevistas

Audição: cuidados necessários no verão

O canal auditivo externo é revestido por pele e tem no seu final a Membrana Timpânica, que transmite as ondas sonoras para o ouvido médio e interno. Esta pele produz o cerúmem (popularmente conhecido como cera), substância gordurosa que tem como função proteger o canal auditivo. Quando exposta à umidade por tempo prolongado — o que acontece com frequência na temporada de verão com banhos de mar e piscina — essa pele pode sofrer infecções, causando dor, secreção no ouvido e até mesmo perda de audição.

Evite cotonetes

Também é comum, nesta mesma época, o acúmulo de cerúmem, que dificulta que o ouvido mantenha-se seco, após o contato com a água. Para evitar esse acúmulo, o ideal é que o cerúmem seja removido por um especialista, uma ou duas vezes por ano.

“A introdução de cotonetes no canal auditivo não é recomendada pois, além do risco de traumatismo, a remoção da cera geralmente é incompleta, e ela é empurrada contra o tímpano, prejudicando a audição”

salienta o Dr. Celso Dall’Igna, Otorrinolaringologista e professor da Faculdade de Medicina da UFRGS. Segundo o Dr. Dall’Igna o uso de medicamentos em gotas, sem orientação médica, também deve ser evitado.

Atenção especial com as crianças

A exposição ao sol, vento e à areia não são motivos preocupantes, pois não geram qualquer dano ao sistema auditivo. Mas a falta de cuidados com a umidade podem ocasionar doenças como a otite externa e o acúmulo de cera, este mencionado anteriormente. Crianças e bebês são indivíduos mais suscetíveis por contarem com um conduto ou canal auditivo mais estreito, e os idosos por terem mais pelos nestes mesmos espaços. Pessoas com perfuração do tímpano ou com tubos de ventilação (drenos) devem evitar contato com a água. Quando não tratadas, essas doenças podem resultar em casos mais graves que exijam o uso de antibióticos locais ou via oral e analgésicos. Dor, purgação no ouvido e diminuição da audição são os sintomas mais comuns.

Como amenizar o desconforto

O Dr. Dall’Igna ressalta ainda que indivíduos que utilizam aparelhos auditivos estão mais propensos ao acúmulo de cerúmen devido à introdução diária dos moldes ou dos receptores. E, por isso, devem estar mais atentos a necessidade da limpeza. Outro problema bastante recorrente é a dificuldade de encontrar especialistas disponíveis nas regiões litorâneas. Nestes casos, para amenizar o desconforto até que seja viável a consulta com o médico, a dica é utilizar, de forma moderada, analgésicos orais e calor no local para aliviar a dor.

Data Postada: 26/01/2017